Pegada de carbono

O que é a pegada de carbono?

Mike Berners-Lee e Duncan Clark definem em um artigo para o The Guardian de 2010, o que queremos dizer em essência por pegada de carbono e quais aspectos são problemáticos sobre ele:

Quando falamos de mudanças climáticas, pegada é uma metáfora do impacto total que algo tem. E o carbono é uma abreviação para todos os diferentes gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global. O termo pegada de carbono, portanto, é uma abreviação para descrever a melhor estimativa que podemos obter do impacto total da mudança climática de algo. De algo pode ser qualquer coisa – uma atividade, um item, um estilo de vida, uma empresa, um país ou até mesmo o mundo inteiro.

Dado que um único item ou atividade pode causar a emissão de múltiplos gases de efeito estufa diferentes, cada um em quantidades diferentes, a convenção é expressar uma pegada de carbono em termos de dióxido de carbono equivalente (CO2e). Isto significa o impacto total das alterações climáticas de todos os gases com efeito estufa causados por um item ou atividade enrolados num só e expressos em termos da quantidade de dióxido de carbono que teria o mesmo impacto.

Problemas com calculadoras comuns de pegada de carbono

O abuso mais comum da expressão “pegada de carbono” é falhar algumas ou mesmo a maioria das emissões causadas, qualquer que seja a atividade que está sendo discutida. Por exemplo, muitas calculadoras de carbono online dir-lhe-ão que a sua pegada de carbono é baseada num determinado tamanho puramente na sua energia doméstica e nos seus hábitos pessoais de viagem, enquanto ignora todos os bens e serviços que você compra. Assim, eles concluem que o dilema é que estes tipos de pegada de carbono são apenas parecidos com a pegada de carbono – eles não dão uma imagem completa.

Para lhe dar uma ideia de uma calculadora da pegada de carbono, consulte a calculadora da Iniciativa Verde. Eu recomendo que você jogue com a ferramenta e tente descobrir qual é a sua pegada de carbono em geral ou, por exemplo, como certos tipos de transporte se comparam.

Para entender melhor o conceito de pegada de carbono, fiz algumas pesquisas sobre algumas questões e conceitos que são centrais para entender o conceito por completo. Nos parágrafos seguintes, descrevo o que recolhi da UNFCCC, da U.S. Energy Information Administration (EIA), da NASA, da Universidade da Califórnia, do think-tank Chatham House de Londres, da revista Live Science e do National Institute of Water and Atmospheric Research (NIWA) da Nova Zelândia.

O que são gases de efeito estufa?

Os gases de efeito estufa são os gases atmosféricos responsáveis pelo aquecimento global e pelas alterações climáticas. Os principais gases de efeito estufa são o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4) e o óxido nitroso (N20). Os cientistas atribuem a tendência de aquecimento global observada desde meados do século XX à expansão humana do “efeito estufa”. Isso se refere ao aquecimento que resulta quando a atmosfera prende o calor que irradia da Terra para o espaço. Os gases de efeito estufa na atmosfera bloqueiam a fuga de calor e causam o aquecimento global.

Na Terra, as atividades humanas estão mudando a estufa natural. No último século, a queima de combustíveis fósseis, como carvão e petróleo, aumentou a concentração de dióxido de carbono atmosférico (CO2). Isto acontece porque o processo de queima de carvão ou petróleo combina carbono com oxigênio no ar para produzir CO2. Em menor medida, a limpeza de terras para agricultura, indústria e outras atividades humanas aumentou as concentrações de gases de efeito estufa.

Quais são as fontes de gases de efeito estufa?

É compreensível que a maioria das pessoas não tenha essa informação na ponta dos dedos, pois as fontes são numerosas. Um estudo realizado pela Chatham House em 2014 descobriu que as pessoas tendem a superestimar os efeitos de algumas das fontes mais óbvias e visíveis, como a exaustão de veículos e o desmatamento, mas em grande parte negligenciam os efeitos da produção de carne e laticínios.

A Universidade da Califórnia resumiu as fontes globais de emissões de gases de efeito estufa:

Eletricidade e calor: Isto são usinas de energia, fábricas de vapor, fontes industriais de eletricidade e calor – este não é o seu uso de calor ou eletricidade em casa. A queima de carvão, gás natural e outros combustíveis fósseis é a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa do mundo. A mudança para o gás natural é uma melhoria em relação ao carvão, mas uma transição para fontes de energia e calor com emissão zero (solar, eólica, geotérmica, hidráulica ou nuclear) é necessária para limpar completamente nosso sistema de energia. Naturalmente, a energia nuclear tem custos fixos elevados e provoca outras implicações negativas, como os resíduos nucleares, mas o seu impacto no clima é muito baixo em comparação com os combustíveis fósseis.

A agricultura e a terra: Cerca de um quinto de todas as emissões globais de gases com efeito de estufa provêm do nosso uso da terra, principalmente da desflorestação e das emissões do gado. Isto inclui também o combustível utilizado na agricultura, na silvicultura e na pesca, as emissões diretas do solo e os incêndios florestais. Consumir menos leite e carne ou tornar-se vegetariano faria alguma diferença? Resposta curta: Sim, mas seria apenas uma pequena parte do que é necessário.

Indústria: A fabricação de produtos para o mundo de hoje produz muitos gases de efeito estufa – quase 18 porcento das emissões globais. A produção de metais, a fabricação e o uso de produtos químicos, a produção de cimento e muitos outros produtos, do papel aos semicondutores, são contribuintes significativos. E não é apenas o processo de fazer algo, é o desperdício que criamos no processo que também contribui para o problema.

Transporte: Engarrafamentos de trânsito. Cidades com poluição. Talvez a fonte mais visível de emissões venha do transporte. Mas não vemos tudo isso: Aviação, transporte ferroviário e refrigeração no transporte contribuem para os gases de efeito estufa do transporte, somando 14% das emissões globais de gases de efeito estufa. Os carros elétricos estão em ascensão, mas para que eles sejam verdadeiramente verdes depende de uma fonte limpa de eletricidade.

Outra energia: Mesmo antes de queimarmos combustíveis, a fabricação e a movimentação dos mesmos aumentam as emissões para a atmosfera. A refinação de petróleo para produzir combustível e outros produtos, e as emissões fugitivas de tubulações com vazamentos – particularmente vazamentos de metano, um gás que é cerca de 25 vezes mais potente que o CO2 – são questões sérias e desafiadoras.

Resíduos alimentares: Os teus pais sempre te disseram para acabares a tua comida? Eles tinham razão. Além de estarmos jogando comida fora enquanto as pessoas passam fome, o desperdício de alimentos contribui com 6,7% das emissões globais. O desperdício de alimentos começa muito antes de deixar a fazenda, e continua através da distribuição, armazenamento, em mercados e restaurantes, e até a sua cozinha.

Edifícios: A energia usada em edifícios comerciais e residenciais, incluindo refrigeração e ar condicionado, e até mesmo extintores de incêndio, contribui com 6,4% das emissões globais. Todos juntos, os edifícios emitem aproximadamente a mesma quantidade de gases de efeito estufa que todo o país da Índia. Esta é uma área onde todos nós podemos ter um efeito direto todos os dias, começando em nossas casas e negócios.

O que são sumidouros de carbono, por outro lado?

Desde a revolução industrial, este equilíbrio mudou, e o carbono extra está entrando na atmosfera através da queima de carvão e petróleo. As plantas, o oceano e o solo retiram CO2 da atmosfera e armazenam-no. Estes são conhecidos como sumidouros de carbono. As plantas retiram dióxido de carbono da atmosfera para usar na fotossíntese; parte desse carbono é transferida para o solo à medida que as plantas morrem e se decompõem. Os oceanos são um importante sistema de armazenamento de dióxido de carbono. As algas também absorvem o gás para a fotossíntese, enquanto algum dióxido de carbono simplesmente se dissolve na água do mar. Um dos maiores sumidouros de carbono do mundo é a Amazônia no Brasil, mas está em declínio devido ao contínuo desmatamento, mineração e outras mudanças no uso da terra.

Mas esses sumidouros, críticos no esforço para absorver algumas de nossas emissões de gases de efeito estufa, podem estar parando, graças ao desmatamento, e às mudanças climáticas induzidas pelo homem que estão causando o enfraquecimento da “esponja” de dióxido de carbono oceânico. Cientistas e engenheiros estão explorando métodos artificiais, como o armazenamento de grandes quantidades de CO2 no subsolo, mas estes são atualmente bastante caros. Se estas tecnologias evoluírem e se tornarem mais baratas ao longo do tempo, poderão ser outro instrumento para reduzir as emissões de CO2, uma vez que poderão ser utilizadas para armazenar as emissões de CO2 que não podem ser evitadas, especialmente nos processos industriais.

Referências: Iniciativa Verde, The Guardian, UNFCCC, NASA, Chatham House, University of California, Live Science magazine, NIWA, (acedido 30/06/2019)


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s