Relatório Especial do IPCC sobre Uso da Terra e Mudanças Climáticas

No início de agosto, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) publicou um relatório especial sobre o uso da terra no contexto do avanço das mudanças climáticas, que era aguardado com expectativa em todo o mundo. Mas o que é que tem de tão espacial torna este Relatório do IPCC e quais são os pontos centrais do relatório que agora estão sendo abordados e discutidos em todo o mundo?

Em primeiro lugar, o IPCC é uma mistura de ciência e política. Na instituição intergovernamental das Nações Unidas, os melhores peritos compilam os conhecimentos atuais sobre as alterações climáticas (a propósito, numa base voluntária). E depois coordenam o seu resumo palavra por palavra com os governos da Organização das Nações Unidas (ONU). Isto significa que todos os relatórios do IPCC, incluindo os mais recentes sobre clima e uso da terra, foram lidos e aceitos pelos governos da ONU. Isso significa que os líderes estão adotando o que a ciência diz: a agricultura, tal como é praticada atualmente, está arruinando o meio ambiente e o clima e colocando em risco nossa subsistência e a sobrevivência de outras espécies e ecossistemas. Os políticos também reconhecem a conclusão dos especialistas de que uma forma mais sustentável de agricultura que alimente o mundo e esteja integrada no ciclo do ecossistema é possível.

O relatório especial agora apresentado coloca ainda mais pressão sobre os decisores políticos. O relatório afirma clara e inequivocamente que chegou o momento de tomar contramedidas decisivas para mitigar as alterações climáticas provocadas pelo homem com todas as suas consequências negativas. Nesse sentido, o Secretário-Geral da ONU, Guterres, convida-nos para a cimeira do clima, que terá lugar dentro de um mês em Nova Iorque, onde serão finalmente cumpridas as promessas feitas no Acordo de Paris sobre o Clima de limitar o aquecimento global a um máximo de dois graus em comparação com a era pré-industrial. 

A questão do uso da terra é a alavanca perfeita para isso. Porque este relatório do IPCC é menos sobre temperaturas e física climática ou conflitos Norte-Sul do que sobre o consumo e estilo de vida de cada indivíduo. Isto é importante porque, no mundo industrializado, o crescimento da população mundial é frequentemente referido como a “mãe de todos os problemas”, que ainda é forte, especialmente nos países emergentes e em desenvolvimento. O Relatório Especial do IPCC mostra claramente que não são os futuros 10 bilhões de pessoas na Terra que estão causando o problema do clima, mas a forma como nos temos espalhado pelo planeta, explorando os recursos naturais cada vez mais impiedosamente.

O relatório de mil páginas foi escrito em três anos por 107 cientistas, metade deles de países emergentes e em desenvolvimento, de 52 países diferentes. Para este efeito, foram avaliadas mais de 7000 publicações científicas, sobretudo tendo em vista o objectivo fixado no Acordo de Paris sobre o Clima de aumentar a temperatura anual global numa média não superior a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. Os peritos vêem agora uma necessidade urgente de acção a curto prazo para mudar a forma como utilizamos a nossa terra. Os dados apresentados mostram a urgência com que o problema da utilização global dos solos deve ser abordado:

70% da área terrestre livre de gelo global foi agora alterada pelo homem. Um terço destes solos já são considerados danificados. As emissões da agricultura duplicaram entre 1961 e 2016. Representam já metade de todas as emissões de gases com efeito de estufa provenientes da utilização dos solos e 23% das emissões globais podem ser atribuídas à agricultura. A tónica é cada vez mais colocada na produção de carne e na criação de gado, em particular. A criação de gado causa a maior parte das emissões por quilograma de proteína, e as emissões indiretas também são causadas pela produção de ração, transporte e refrigeração. Hoje, cerca de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo têm excesso de peso devido ao consumo excessivo e aos maus hábitos alimentares, enquanto cerca de 820 milhões de pessoas são subnutridas ou não tem o suficiente para comer todos os dias. Segundo o relatório, quase um terço de todos os alimentos do mundo acaba no lixo ou na deterioração, um desperdício insano dado o número de pessoas subnutridas e o desperdício inútil de recursos para cultivar todos estes alimentos desperdiçados.

Por conseguinte, o IPCC apela a uma redução drástica das emissões provenientes da agricultura. Mas o relatório especial mostra também por que razão os próprios agricultores devem ter interesse numa agricultura mais sustentável. Os especialistas alertam que as consequências das mudanças climáticas para a agricultura e, portanto, para a segurança alimentar da população mundial serão claramente sentidas através de secas, ondas de calor, chuvas fortes e erosão do solo. Tal reduzirá o rendimento das terras aráveis e das culturas arvenses, o que resultará em perdas financeiras para os agricultores, aumento dos preços dos alimentos, diminuição da qualidade e perturbações no abastecimento dos consumidores. O relatório também refuta as expectativas de alguns de que a mudança de áreas de vegetação para os dois pólos levará a uma expansão da produção agrícola.

Há alguma notícia positiva no relatório especial?

Sim, há. Os cientistas chegam à conclusão de que alguns efeitos podem ser reduzidos ou evitados através de uma mudança de rumo, que poderá conduzir a uma maior proteção do clima, a colheitas mais seguras e a melhores condições de vida. No entanto, a agricultura sustentável e a redução da pobreza exigem um melhor acesso aos mercados, a garantia dos direitos à terra, a inclusão dos danos ambientais nos preços, o pagamento dos serviços ecossistêmicos e mais direitos para as partes interessadas locais, especialmente as mulheres.

O desafio que a agricultura enfrenta pode ser simplesmente resumido: Produzir mais alimentos em terras existentes sem emitir mais gases de efeito estufa e usando mais toxinas ambientais. A agricultura deve, pois, tornar-se mais eficiente, ou seja, produzir mais com menos fatores de produção. Isto requer uma agricultura inovadora e tecnologicamente avançada. Além disso, poderiam ser criados incentivos econômicos para poupar CO2, por exemplo, através da criação de um regime de comércio de licenças de emissão ou, se disponível, alargando-o ao setor agrícola. Ao mesmo tempo, porém, a população (ou seja, cada indivíduo) deve também tornar-se mais consciente de seu comportamento como consumidor em todos os domínios da vida – incluindo os hábitos alimentares e a dieta à base de carne. 

Então, qual é o resultado final?

O progresso depende de choques. Quanto maior o desafio, maior o esforço necessário. A crise climática obriga o capitalismo globalizado a utilizar os seus recursos de forma mais parcimoniosa e, ao mesmo tempo, a utilizar inovações para mitigar as consequências das alterações climáticas e, idealmente, para travar o processo. Não há alternativa à mudança. A mudança de consciência só pode estar no início e não no fim. Precisamos repensar nosso modo de vida, como mostra não só o Relatório Especial, mas também os muitos movimentos culturais e sociais que expressam em alto e bom som o desejo de viver de uma maneira diferente e melhor. Naturalmente, os críticos habituais do capitalismo e aqueles que vêem a sociedade livre como um inimigo também fazem parte disso. No entanto, há que dizer claramente que a maioria destes movimentos não é apoiada por críticos moralizadores do capitalismo e da liberdade, mas sim por pessoas comuns que querem que as pessoas possam viver melhor, mais saudáveis e mais atentas no futuro. Eles estão interessados em conceitos sensatos que estão no fim de processos democraticamente legitimados numa sociedade aberta. Em termos concretos, isto significa que uma coligação que visa uma grande transformação necessita de uma clara maioria da população e, naturalmente, pelo menos de uma estreita maioria em instituições democraticamente eleitas, como o Parlamento, a fim de mudar realmente as coisas. 

As grandes perguntas são bem conhecidas: Como podemos criar cidades em que valha a pena viver e, ao mesmo tempo, neutras em termos de emissões? Como podemos criar um sector dos transportes que seja neutro em termos de emissões? Qual é o aspecto de uma agricultura que produz menos carne, mas melhor, com monoculturas que não arruínam os ciclos de nutrientes e que, idealmente, podem absorver mais CO2 através de plantas e árvores que ligam a lavoura suave e o nitrogênio? Como são os sistemas solares adequados para as diferentes condições geográficas e meteorológicas e como são as linhas eléctricas? Qual é o aspecto da primeira instalação de dessalinização compatível com a massa que resolve o problema da escassez de água doce nas regiões pobres em água? Como será resolvido o problema da eliminação final dos resíduos radioativos das nossas centrais nucleares para que a energia nuclear possa continuar a ser utilizada de forma sustentável? 

Todas estas questões não são questões de moralidade, culpa ou renúncia, mas de uma política aberta à inovação e à tecnologia e de conceitos racionais aceitos pela maioria da sociedade. A política enfrenta agora o desafio de criar condições-quadro políticas e econômicas inteligentes que tornem possível uma reviravolta na agricultura e que, ao mesmo tempo, tenham a aceitação da maioria da sociedade. O Relatório Especial do IPCC fornece aos políticos tudo o que precisam para tornar realidade os compromissos que assumiram de forma tão impressionante quando assinaram o Acordo Climático de Paris em 2015. Quase quatro anos se passaram desde então, sem quaisquer mudanças políticas claras. O momento de agir é hoje, não amanhã, dizem os cientistas mais brilhantes do mundo. Quem somos nós para ignorar o Conselho do IPCC quando todos queremos um bom futuro para nós mesmos e um futuro melhor para os nossos filhos e netos?

>> Clique aqui para ver o comunicado de imprensa do IPCC <<

>> Clique aqui para ver o relatório completo do IPCC <<


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s