Uma pergunta com potencial de discussão: Carne e sustentabilidade – como elas se encaixam? Uma tentativa de esclarecimento.

A carne é um prazer. Faz parte da nossa cultura há milhares de anos. E também pode ser uma valiosa fonte de proteína. Por outro lado, sabemos que o nosso consumo de carne e o aumento noutras partes do mundo têm efeitos negativos graves no nosso ambiente.

Se quisermos dar mais atenção à sustentabilidade e à produção sustentável no nosso dia-a-dia, não há como dar uma olhada no carrinho de compras e, portanto, na carne. Que “pegada” deixam os produtos das nossas necessidades diárias neste planeta? Como foram produzidos e processados? Que contributo dão para a saúde humana, animal e ambiental? E o agricultor foi justamente pago por isso?

Em última análise, porém, esta discussão não é sobre quem é a melhor pessoa: o vegetariano ou o comedor de carne. Depende da quantidade e qualidade da carne que comemos. Não se trata de converter-te a vegetariano, nem nós. Ao invés disso, ele nos impulsiona: Como podemos tornar o nosso consumo de carne mais sustentável?

Na minha opinião, só podemos falar de um consumo de carne verdadeiramente sustentável se forem cumpridos três factores: Proteção ambiental e climática, bem-estar animal e padrões sociais das pessoas. A carne também seria sustentável se não poluísse o ambiente e o clima ou se o fizesse apenas ligeiramente. Nos parágrafos seguintes, gostaria, portanto, de mostrar por que razão, na minha opinião, o consumo sustentável de carne num mundo ideal é uma tríade de protecção ambiental e climática, bem-estar animal e normas sociais.

Tendo em conta que o cultivo de alimentos para animais, as explorações de engorda e os matadouros estão a tornar-se cada vez maiores e os processos estão a tornar-se cada vez mais industrializados, a fim de satisfazer a fome mundial de carne, é fácil ignorar as consequências negativas associadas, para além da grande quantidade de carne barata:

1. O abuso de antibióticos leva a resíduos na carne, na água e no solo. A resistência aos antibióticos é uma séria ameaça para os seres humanos, os animais e o ambiente. A OMS diz que o uso crescente de antibióticos de reserva na pecuária intensiva e no comércio mundial de carne acelera o processo de formação de resistência e, assim, aumenta o risco de infecções com patógenos resistentes para os seres humanos.

2. A destruição ambiental e a poluição climática são conseqüências da expansão massiva da pecuária intensiva em massa, também no Brasil. Áreas protegidas e florestas tropicais, como a Amazônia, estão sendo desmatadas para terras agrícolas, e solos e águas são posteriormente poluídos a longo prazo com fertilizantes, pesticidas, medicamentos e esterco líquido. Além disso, a água doce valiosa é consumida em grandes quantidades e as alterações climáticas são impulsionadas pelas emissões de gases com efeito de estufa provenientes da maquinaria agrícola, do transporte de alimentos para animais e de animais, das instalações de criação e abate e dos próprios animais.

3. A pecuária em massa leva a doenças e não é apropriada para as espécies. O maior número possível de animais é mantido numa área tão pequena quanto possível, o que frequentemente conduz a doenças e epidemias, para além das condições de criação inadequadas. Esta é também uma das razões para a utilização extensiva e excessiva de antibióticos e outros medicamentos na criação intensiva de animais. No Brasil, por exemplo, a maior parte da carne agora vem de bovinos que são amontoados nos chamados “lotes de alimentação” e engordados em um espaço confinado. Mesmo a maioria das galinhas poedeiras, porcos de engorda e porcas são ainda mantidos nas gaiolas e compartimentos mais pequenos. “Se os matadouros tivessem janelas, seríamos todos vegetarianos”, disse Paul McCartney.

4. As doenças podem ser favorecidas pelo consumo excessivo de carne, segundo pesquisas. A chamada carne vermelha, como a carne bovina e suína, parece adicionar ao corpo, e o aumento do consumo está associado a um maior risco de desenvolver câncer de intestino. A cura e o aquecimento da carne a uma temperatura elevada também aumentam o risco de desenvolver cancro do cólon. Métodos como a cura e o aquecimento forte são utilizados em particular para a carne processada industrialmente, incluindo salsichas e fiambre. De acordo com o Centro Alemão de Pesquisa do Câncer, os produtos processados à base de carne são, portanto, particularmente insalubres. Uma coisa é certa: Em comparação com a carne vermelha, a carne branca de peixe e aves de capoeira parece representar um risco para a saúde comparativamente baixo. Mas a carne, mesmo a carne branca não tratada, também tem componentes que podem ser problemáticos para a saúde. Por exemplo, o teor de gordura e de colesterol da carne é geralmente comparativamente elevado. O consumo excessivo de carne pode, assim, promover comprovadamente o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes.

Em última análise, a produção tem lugar à custa do ambiente, do clima, dos agricultores e, em última análise, dos consumidores. Porque: Nós obtemos carne qualitativamente ruim de animais engordados turbo de criação industrial de animais em massa. Os custos ocultos são suportados pelo ambiente, pelo clima e pelos agricultores nos sectores da engorda, do transporte e dos matadouros. Os impactos ambientais e climáticos e as más condições de trabalho não estão incluídos no preço do produto. São “externalizados” para o ambiente, o clima e os agricultores para que possamos comprar a nossa carne a preços tão baixos.

Solução:

De uma perspectiva global, há apenas uma solução de longo prazo, a pesquisa nos diz: a humanidade terá que consumir significativamente menos carne e outros produtos animais no futuro. Por duas razões principais: Por um lado, abrandar a crescente destruição do ambiente e as alterações climáticas progressivas e, por outro lado, ser capaz de alimentar uma população mundial em crescimento no futuro.

Em vez desta perspectiva global e bastante abstracta, creio que, para a maioria de nós, a perspectiva local é mais compreensível e prática. Porque é mais provável que nos apercebamos dos efeitos negativos no nosso ambiente imediato e estamos então rapidamente preparados para nos defendermos contra esses efeitos negativos. Utilizando o nosso consumo de carne como exemplo, vou ilustrá-lo melhor nos parágrafos seguintes.

Nós humanos somos dependentes do nosso ambiente imediato. Estamos dependentes de ar limpo suficiente para respirar, água limpa suficiente para beber e um solo, flora e fauna intactos com biodiversidade suficiente. Afinal, nós, humanos, ainda fazemos parte de um ecossistema. As pessoas das áreas urbanas e das grandes cidades podem não reconhecer isso à primeira vista, mas ajuda a pensar brevemente de onde vem a água potável e os alimentos limpos: do nosso ambiente, ou seja, do nosso entorno imediato.

Como já demonstrado, a agricultura industrializada e convencional tem um impacto negativo considerável no nosso ambiente imediato, do qual dependemos todos os dias. A sustentabilidade no sentido da protecção do clima, da protecção do ambiente e das normas sociais desempenha um papel pequeno, mas sobretudo nenhum, nesta forma de agricultura. O melhor exemplo disso é a produção de carne. Muitos de nós não sabemos como se processa a criação e engorda industrializada e convencional de gado bovino, suíno ou frango e em que medida os efeitos negativos no ambiente, no clima e nas pessoas da zona circundante têm um impacto negativo.

Quem aprende sobre as condições e efeitos muitas vezes se pergunta se existe uma alternativa sustentável. Todos os comedores de carne podem ser tranquilizados porque existem. No entanto, há que dizer que mesmo a criação de animais mais sustentável não significa que o ambiente e o clima não estejam poluídos. O ambiente e o clima são significativamente menos poluídos, mas só se comer menos carne é que, como comedor de carne, conseguirá um efeito negativo mínimo no ambiente e no clima. Mas agora, como é possível comer carne de uma forma mais sustentável?

1. Comprando carne orgânica de fazendas orgânicas na sua região. Porquê?

a. Se comprar carne da sua região, os animais, a alimentação e, no final, a carne têm de ser transportados menos longe. Isto reduz as emissões de CO2 e garante que os animais não sejam transportados desnecessariamente a longas distâncias.

b. Se você comprar carne de fazendas orgânicas em sua região, você apoia os fazendeiros em sua região que usam seus métodos de cultivo para conservar o solo, a água e o ar e manter os animais de uma maneira apropriada para a espécie. Além disso, estas explorações produzem normalmente todos os alimentos para os animais nos seus próprios campos, na vizinhança imediata. Isto, por sua vez, poupa longas distâncias de transporte e, consequentemente, emissões de CO2.

c. Se você comprar carne orgânica de fazendas biológicas em sua região, você estará apoiando o cultivo suave dos campos em sua vizinhança imediata. Os agricultores não utilizam ou utilizam significativamente menos pesticidas e fertilizantes químicos nos campos e significativamente menos ou nenhum medicamento (por exemplo, antibióticos) que acabam na água subterrânea, no solo e até mesmo na carne do seu prato.

d. Se prestarmos atenção a estes três pontos quando compramos carne, estamos a contribuir para a protecção do ambiente no nosso ambiente imediato. Através de sua demanda, você apoia formas sustentáveis de agricultura e ajuda a manter seu meio ambiente saudável e digno de viver.

2. Desistindo completamente da carne. Porquê?

a. Nossa grande demanda por carne levou à expansão e industrialização da agricultura convencional. Se a procura de carne diminuísse, acabaria por ser produzida menos carne.

b. Mas e se não quiseres mais comer carne, mas não quiseres perder o sabor? Enquanto isso, há muitos substitutos de carne para aqueles que ainda querem grelhar uma salsicha, um bife ou um hambúrguer, mas sem carne.

c. O bestseller mais recente é “Beyond-meat”, hambúrgueres sem carne feitos de proteína de ervilha. Existem também outras alternativas sem carne com sabor e consistência de carne, como a “Impossible foods”, que cooperam com a Burger King. A Nestlé também anunciou um “Awesome Burger” sem carne com a McDonalds para o final do ano.

d. Qualquer pessoa que possa prescindir do sabor e da experiência alimentar da carne, para além da carne, pode recorrer a fontes de proteínas vegetarianas testadas e comprovadas, tais como tofu, seitan ou leguminosas (feijão, ervilhas…). Quem comer comida vegetariana na sua totalidade não terá nada a perder do seu corpo. Pelo contrário, de acordo com descobertas científicas, uma dieta vegetariana é mesmo muito saudável. Só num modo de vida vegano, em que a carne e todos os outros produtos de origem animal, como os ovos e o leite, constam da lista de suplementos alimentares, é necessário substituir substâncias individuais, como a vitamina B12, por suplementos alimentares.

Colocando no centro o prazer e a apreciação da carne e, por conseguinte, a qualidade em vez da quantidade (novamente) (palavra-chave “assado ao domingo” da avó). Porquê?

a. Não há muito tempo, a carne só estava disponível em ocasiões especiais. Por um lado, isso foi certamente devido à oferta limitada, mas por outro lado, houve também uma maior apreciação da carne. Então, meus avós comeram carne depois da Segunda Guerra Mundial na Alemanha, como todas as famílias normais naquela época, principalmente todos os domingos. O domingo foi especial, porque nesse dia toda a família se reuniu. Foi por isso que falaram em “assado de domingo”. A apreciação da carne podia ser reconhecida pelo fato de que ela era servida apenas em ocasiões especiais. Além disso, é preciso saber que naquele tempo também todas as partes úteis do animal com patas, orelhas, nariz, língua, vísceras, etc. foram comidas e não como hoje apenas os melhores pedaços. Teria sido um desperdício imperdoável e desprezo nessa altura.

b. Se comermos carne com moderação, estamos a fazer um favor a nós próprios. Durante muito tempo, especialistas em saúde recomendaram que você não deve comer mais de 300 a 600 gramas por semana. Estas recomendações são o resultado de milhares de estudos sobre o assunto e, portanto, correspondem ao estado atual do conhecimento científico”, escreve o Centro Alemão de Pesquisa do Câncer (DKFZ) em Heidelberg. Além disso, os cientistas têm demonstrado repetidamente que a chamada dieta hipocalórica – que, em última análise, significa nada mais do que comer menos – é benéfica para a saúde e até prolonga a vida.

Conclusão:

Como podem ver, no final, cabe a cada um de nós questionar criticamente os nossos próprios hábitos, e não apenas quando se trata do consumo de carne. É relativamente fácil para nós fazer algo pela nossa saúde, pelo ambiente, pelo clima, pelo bem-estar dos animais e por condições de trabalho justas. Existem, portanto, muitas e boas razões para voltarmos a ver a carne como algo especial e colocarmos o prazer e, por conseguinte, a qualidade e não a quantidade, no centro da nossa dieta.Conclusão:Como podem ver, no final, cabe a cada um de nós questionar criticamente os nossos próprios hábitos, e não apenas quando se trata do consumo de carne. É relativamente fácil para nós fazer algo pela nossa saúde, pelo ambiente, pelo clima, pelo bem-estar dos animais e por condições de trabalho justas. Existem, portanto, muitas e boas razões para voltarmos a ver a carne como algo especial e colocarmos o prazer e, por conseguinte, a qualidade e não a quantidade, no centro da nossa dieta.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s